Ir para o conteúdo
café
preto
acordando
para a luta
ou

Rio dos Macacos

Confira as fotos da visita do Café Preto ao quilombo!

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

#RECÔNCAVO - Quilombolas contra a hidrelétrica de Pedra do Cavalo

28 de Junho de 2016, 21:28 , por Bruno M. - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 55 vezes
Reconcavo

#Recôncavo - quilombolas contra a hidrelétrica de Pedra do Cavalo

 

A Reserva Extrativista Marinha Baía do Iguape, localizada no Recôncavo baiano e composta por mais de 90 comunidades quilombolas, cerca de cinco mil famílias de pescadores e pescadoras tradicionais, conquista mais um passo rumo à vitória contra os grandes empreendimentos. Desta vez, após anos de mobilizações, o Instituto Chico Mendes negou a autorização para o licenciamento ambiental da Hidrelétrica de Pedra do Cavalo e o Ministério Público Federal ainda sugeriu ao INEMA a interdição do Licenciamento da hidrelétrica, administrada pelo grupo Votorantim. A hidrelétrica, que funcionava há quase sete anos sem licença, possui uma planta de operação que barra o fluxo de água doce do Rio Paraguaçu por mais de 20h/dia, fazendo com que o efeito da maré no território pesqueiro dos quilombolas elevem a salinidade da água a níveis absurdos, além de mudar toda a dinâmica hidrológica do estuário. Um rio sem fluxo é um rio sem vida e os estoques pesqueiros que sustentam a reprodução física, social e cultural destas comunidades tradicionais se esgota a cada dia! Hoje, devido à degradação ambiental da Baía do Iguape causada por grandes empreendimentos, a renda per capta mensal oriunda da atividade pesqueira na região é de cerca de R$ 20,00, três vezes menor que o limite estabelecido para caracterizar situação de extrema pobreza. É um silencioso genocídio do povo preto no campo. A exigência dxs quilombolas é que a hidrelétrica só seja licenciada após alterada toda a sua estrutura ou motorização, de forma a permitir um fluxo adequado para propiciar a vida da Baía do Iguape. É exigida também uma série de compensações por todos os danos causados à atividade pesqueira e aos modos de vida das populações tradicionais.Ressaltamos a grande importância das mulheres marisqueiras nesta luta, sempre maioria esmagadora nas reuniões e nas mobilizações quilombolas do Recôncavo! Que a resistência continue! O Café Preto está ligado, ombro a ombro com a luta quilombola, seja na terra, seja no mar!!!


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.