Ir para o conteúdo
café
preto
acordando
para a luta
ou

Rio dos Macacos

Confira as fotos da visita do Café Preto ao quilombo!

Tela cheia

[1º DE MAIO] CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE AO QUILOMBO CONCEIÇÃO: QUANDO O ISOLAMENTO DÁ ESPAÇO À VIOLÊNCIA

25 de Abril de 2020, 20:11 , por Bruno M. - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 138 vezes

  1maio

Não foi sem razão que justo no dia 1º de Maio lançamos esta campanha de solidariedade. Nesta data, nos inspiramos nos trabalhadores e trabalhadoras de todo o mundo que deram (e dão) as suas vidas para conquistar, com muito suor, sangue e barricadas, garantias de liberdade e dignidade aos mais diversos povos. E ainda que longe das fábricas e dos olhos perversos do patrões, há uma enorme e importante classe trabalhadora propositadamente invisibilizada e constantemente massacrada pelo Estado: os pescadores e pescadoras artesanais, maioria quilombola e indígena, que com seus saberes ancestrais trabalham dia e noite para garantir a real multiplicação dos peixes à mesa de toda a sociedade.

 

No mesmo mês de maio do ano passado, o Café Preto lançou uma edição especial com uma matéria denominada "TUDO AQUI É NOSSO - Resistências cotidianas no Quilombo Conceição de Salinas", denunciando uma série de violências institucionais, fraudes no licenciamento ambiental, agressões e ameaçadas à comunidade originadas de um grande conluio entre a Prefeitura de Salinas da Margarida e o Loteamento Parque das Margaridas, instalado de forma totalmente irregular sobre o território tradicional quilombola, violando áreas sagradas, de uso para a agricultura, moradia e o direito de ir e vir da comunidade. Tudo isto bem regado a ameaças, depredações e agressões físicas a pescadores e marisqueiras. Caso não tenha lido a matéria, você pode degustar a edição clicando aqui! Vale à pena conferir!

 

E é justamente devido aos laços de solidariedade entre o Café Preto e os povos e comunidades tradicionais, sobretudo ao Quilombo Conceição, que trazemos novamente denúncias de violências institucionais, que agravam ainda mais o difícil período pelo qual passamos com a pandemia do COVID-19. Ao fim da matéria, fazemos um pedido de ajuda financeira à comunidade, que passa por séria vulnerabilidade econômica. Seu apoio pode ser realizado através dos dados bancários descritos logo após o texto.

 

A prefeitura de Salinas da Margarida nunca priorizou o investimento na saúde. Na busca por promover uma imagem do município de bem desenvolvido e moderno, o poder público parece não cansar de investir em asfaltos ao redor de grandes empreendimentos, calçamentos para atrair turistas e realizar eventos festivos completamente alienígenas à região, como festivais de rodeios (pasmem!) que atendem aos interesses específicos da cultura do agrobusiness, empresários e latifundiários e nada dialogam com a cultura local, fortemente vinculada à matriz africana e à tradição pesqueira tradicional.

 

Nos bastidores dos confetes lançados pela festiva prefeitura, as estruturas físicas destinadas à saúde pública apodrecem. São grandes elefantes brancos em funcionamento extremamente precário, com uma carência absurda de profissionais, leitos, medicamentos, EPI's, respiradores, dentre outros utensílios indispensáveis para os cuidados com a saúde da população, sobretudo em momentos de pandemia. Além disto, em algumas unidades de saúde o atendimento tem sido negado a pessoas da comunidade sob a justificativa de que a prioridade deve ser dada aos casos de COVID-19. Contudo, não se percebe falta de atendimento para muitas famílias não quilombolas da cidade, especialmente aos "chegados" do prefeito. Se o município alcançar a extrema situação de ter que escolher quem receberá atendimento e quem ficará entregue à própria sorte, temos suficientes indícios de qual parte da população de Salinas da Margarida será deixada à beira da morte.

 

Apesar de o Quilombo Conceição compreender e reconhecer a importância do isolamento social como forma de prevenção à expansão da Pandemia, tendo inclusive feito campanhas entre os quilombolas sobre o tema, há particularidades determinadas pelos seus modos de vida que devem ser observadas com cautela. 

 

Em primeiro lugar, quando é solicitado o recolhimento destas pessoas em suas moradias, o espaço gerado por este recuo é preenchido pelo avanço violento dos empreendimentos e latifundiários. No território tradicional da comunidade, reconhecido pela Secretaria do Patrimônio da União - SPU, às vésperas da eleição presidencial no ano passado, o Memorial da Mulher Pescadora produzido pela comunidade foi atacado e depredado, tendo sido queimada ainda a bandeira do Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil - MPP. Três dias depois do decreto municipal que reconheceu o estado de emergência devido ao COVID-19, uma placa em homenagem a Mariele Franco foi destruída no quilombo e edificações levantadas pelas marisqueiras para guardarem seus materiais de pesca foram derrubados. Além disto, quando a comunidade tradicional questionou os precários apoios dados pelo município, como a insuficiente alimentação às crianças das escolas públicas ou a seletividade na entrega de cestas básicas (que mal chegaram ao quilombo, pois era necessário uma série de ligações se humilhando para solicitar o que era de direito da comunidade), o prefeito do município fez publicações em sua rede social vomitando comentários racistas e ameaçadores, tentando pôr em xeque a identidade tradicional de pescadores e marisqueiras da comunidade quilombola!

 

Barreiras seletivas também foram estabelecidas, impedindo as comunidades de escoar a própria produção. Ainda que a comunidade reconheça a necessidade do isolamento, o poder público deveria garantir ao menos o transporte desses pescados para a venda e sustento destas famílias. Ao contrário, a prefeitura isola a comunidade no interior de suas casas, mas permite a perambulação de conhecidos "capangas", que em momento algum respeitaram o isolamento e deixaram de coagir os quilombolas. Para coroar a perversidade do município de Salinas da Margarida, os produtos pesqueiros quando comercializados pelo poder público são pagos a preços humilhantes, podendo chegar até à metade do valor regularmente comercializado (como o sarnambi).

 

Diante deste contexto, o Café Preto vem pedir, indivíduo a indivíduo, organização a organização, a contribuição de qualquer valor que possa auxiliar o Quilombo de Conceição na promoção de sua segurança física, econômica e alimentar. O contexto demanda a maior solidariedade possível para esta comunidade que, historicamente, contraria todas as estatísticas oficiais resistindo dia a dia para a manutenção de seus territórios e suas ancestralidades, garantindo a saúde de nossas águas e terras e o peixe em nossas mesas. 

 

Fiquem à vontade para divulgar com quem é de confiança!

 

TODA SOLIDARIEDADE AO QUILOMBO!

 

BANCO DO BRASIL

Agência 0414-6

Conta Corrente 38437-2

Quenia Barreto da Silva

CPF 057.857.255-55

 

Para qualquer dúvida ou envio de comprovantes de transferência/depósito, entrar em contato com zagaia@riseup.net

 

Enquanto houver exploração, todo dia é 1º de Maio!


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.